10.1.12

Atravessar os dias




Há dias em que, por muitos pontos de referência que procuremos no nosso mapa interior é dificil perceber em que margem da vida devemos ficar. Se na que nos obriga a aguardar que tudo se desenrole por si e nos traga aquilo que desejamos e acreditamos que, apesar da espera vai chegar e valer [muito] a pena, ou na outra, naquela em que mesmo sem rede, sem certezas absolutas ou enormes perspetivas de sucesso a curto prazo, retomamos as rédeas e decidimos outro caminho.
Há dias em que [me] é particularmente dificil ficar de um lado da margem a sonhar o outro. Num impulso invade-me a vontade de atirar uma valente pedrada no charco, respirar fundo e, de olhos fechados, atravessar a ponte. De olhos fechados caminha-se sempre que se acredita sem ver. E eu acredito. Há momentos em que acredito mesmo muito, em mim e no que projeto para o futuro... mas, por razões que ainda não alcanço, alguma coisa me prende a este chão e me faz ficar deste lado da margem, a pagar para ver. Alguma coisa me diz que sou capaz e que vai valer a pena o esforço de não me mover. Only time knows...

4 comentários:

  1. querida m.:
    tu tens tudo para vingar no que quer que seja que responda ao apelo que sai daí de dentro. mas, como mulher sábia e ponderada, é normal que hesites em dar o salto sem rede.
    sendo alguém tão solar e apaixonado pela vida, acredito que sentirás o momento de o fazer quando estiveres mesmo preparada ... porque dos sonhos nunca se desiste :)

    ResponderEliminar
  2. Já "passei para a outra margem", uma ou outra vez... Já foi como "atravessar o deserto" e também como "encontrar a luz ao fundo do túnel".
    A vida é isso mesmo. Às vezes dá-nos a "coragem" e...vamos.Nem sempre acertamos mas, por certo, crescemos.
    Na hora de indecisão, costumo avaliar as consequências em "terceiros"; aí pondero um pouco mais e o "primeiro passo" fica adiado. Mas vezes há em que é necessário correr o risco, no entanto, não sendo inconsequente.
    Escute o coração; normalmente dá bons conselhos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Querida A. ... deixas-me sem palavras... é bom sentir que também os outros acreditam no que sentimos. Podes ter a certeza que este projeto será também partilhado de forma especial contigo. Dar tempo ao tempo, é tudo o que preciso. E acreditar, de olhos fechados que vai valer a pena:)

    ResponderEliminar
  4. Maria Clara,
    Também eu já fiz essas caminhadas. Profissionalmente, em dois momentos distintos. Sei bem a sensação de frio no estômago e a incerteza de estarmos á altura do desafio. Mas não posso concordar mais com as suas palavras, crescer, em qualquer uma das circunstâncias, é um dado adquirido. Olhando para trás, não teria em nenhuma das circunstâncias alterado nada. Para o bem e para o menos bom. É feita de tudo isso, a vida.
    Escutar o coração, é o meu "nome do meio" :)
    Mais uma vez, obrigada pela sua partilha e palavras.

    ResponderEliminar