19.9.12

Essa é a magia

Eduardo Sá (ES): Olá, Isabel!
Isabel Stilwell (IS): Olá, olá! Já está à venda o livro do Harry Potter, em português... é o último. Uma pessoa lê-o com uma certa nostalgia. Ao contrário dos outros, que se liam muito depressa, para chegar ao fim. Este tem-se pena e, por isso, lê-se mais devagarinho. Para não chegar ao fim. Porque é mesmo o fim. Mas eu estava a pensar... Há umas personagens do Harry Potter que são os Dementors. Os Dementors são os guardas de Azkaban, que é uma prisão. E a maneira como atacam as pessoas, ou as prendem, é assustadora: sugam-lhes toda a felicidade. Chupam-na e a pessoa sente-se completamente vazia. Como se não tivesse nem um bocadinho de felicidade. E a única maneira de lutar contra um Dementor é agarrar-se à memória mais feliz do mundo e apontar-lhes a varinha, pedindo ao nosso patrono que nos venha salvar. E, então, sai a nossa melhor memória, sob a forma de um animal que depende da pessoa. Nalguns, é um veado, e representa se calhar o pai, no caso do Harry Potter. Noutros, uma rena. Noutros, pode ser um porquinho. E essa memória de felicidade é a única coisa que é capaz de afastar um Dementor. Acho isto muito bonito! Mas fiquei a pensar que andam por aí tantos Dementors. Pessoas que parece que nos sugam a felicidade. No emprego, num autocarro, numa loja em que se entra, aos saltinhos, feliz, com a alma levezinha, e se sai pesado, cansado. Porque há pessoas que com uma frase, dois comentários, conseguem sugar-nos a felicidade.
ES: Há, há!...
IS: E, realmente, a única coisa que nos resta é agarrarmo-nos a uma memória feliz para não nos fazerem mal. Ou não? Ou há outros métodos?
ES: Eu não acho que haja, Isabel...
IS: Não acha o quê? Qual parte?...
ES: Há muitas pessoas que ficam incomodadas de sentirem alguém com vida, com esperança, com capacidade de enamoramento com tudo o que está ao seu lado. E, de facto, essas pessoas não descansam sem as sugar naquilo que elas têm de melhor. Às vezes, essas pessoas são professores e sugam a felicidade dos alunos. Às vezes, acontece ao contrário. Às vezes, são pais e sugam a felicidade dos filhos. Às vezes, são pessoas que se cruzam na nossa vida e não param de sugar aquilo que reconhecem de saudável em nós. Uma memória (tem de ser mágica!) ajuda. Mas mais importantes, ainda, são as nossas convicções. As pessoas que nos querem sugar ajudam-nos muito. Quando nos obrigam a olhar bem para dentro de nós, e a perguntar-nos em que é que acreditamos, dão-nos a mais precisosa de todas as ajudas.
IS: Mas, Eduardo, está a falar disso como uma coisa mais racional. Numa segunda etapa, é verdade que nos obrigam a ir abaixo, a pensar no que realmente queremos, a deitar fora o seu «mau-olhado» e a ressuscitar com mais força. Mas o que me fascina é a capacidade instantânea com que nós mesmos às vezes apagamos as nossas convicções e as nossas certezas sobre nós próprios. Até a nossa autoestima. Perante algumas pessoas que são capazes de nos sugar, em segundos, transformando-nos em crianças pequeninas, a chorar por um colo. E esses Dementors da vida conseguem fazer isso em segundos! Como se tudo o que tivéssemos construído não nos servisse para nada. É claro que, depois, passados um ou dois minutos, vão-se buscar recursos... Mas há pessoas que têm essa capacidade!
ES: Sabe porquê, Isabel?
IS: Não sei, mas quero muito saber.
ES: Porque essas pessoas têm um dom especial. Elas lançam, para dentro de nós, o seu mal. E aquilo que nos faz parar por momentos é estarmos, no fundo, a sentir o seu mal, querermos reagir de acordo com ele (que sentimos estranho dentro de nós) e ficarmos ali partidos ao meio porque, de repente, não somos nós nem os outros. A vontade será a de reproduzir o mal que nos fizeram sentir. Sugarmos como nos sugam. Mas como nos sentimos iguais a quem nos intimida ficamos como crianças à procura de um colo. Como se nós estivéssemos possuídos pelo seu olhar e pelo seu domínio. Mas uma memória (mesmo que mágica) não chega... 
IS: Não chega?
ES: Não. Às vezes ajudaria sermos um bocadinho maus. Porque se jogarmos o jogo dessas pessoas que nos dão caneladas, acredite que elas passam a ter medo de nós. Se não nos respeitam, ao menos que tenham medo. Que lhes faz muito bem!
IS: Essa é boa! Vou tentar... Entre um murro na cara e outras coisas que já prometi, vou tentar novos caminhos! (risos)
ED: Escute, Isabel. Não se trata de meter medo ao medo. Isso alimenta quem nos faz mal. Dá-lhes poder e preponderância sobre nós. Não se trata de responder de forma igual...
IS: Isso dá-lhes preponderância?
ED: Isso... Nem se trata de fazermos de bonzinhos. Nem de fazermos de conta que não percebemos que nos estão a fazer mal, enquanto estamos encostados a uma memória especial. Os guardas de Azkaban, que é uma prisão, estão presos. Mais presos do que eles imaginam. É claro que, enquanto prendem os outros, distraem-se de tudo o que os suga, por dentro. Mas Azkaban fica mais perto das nossas casas ou dos nossos trabalhos do que parece. E, sendo assim, a forma de não ficarmos Dementors passa por lhes explicarmos que só nos suga quem se sente mortificado por dentro. E que, por mais que o desejem, o medo com que nos tentam impedir de perceber o que se passa dentro deles não nos impedirá de os compreender. Nunca vencemos o mal. Vencemos, isso sim, o medo que o mal nos impõe (mesmo depois de vacilarmos). E o medo do mal vence-se por agarrarmos o melhor do melhor de nós. Essa é a magia.


"As pessoas que nos querem sugar ajudam-nos muito"
in Os dias do avesso
{do programa da Antena1 com o mesmo nome}

6 comentários:

  1. Uma foram bonita de lidar com a maldade dos outros..sem medo, destruindo com simplicidade o poder da maldade.

    Beijo:)

    ResponderEliminar
  2. forma* Correcção de erro

    ResponderEliminar
  3. Gostei tanto deste texto que fiquei com vontade de o partilhar também no meu blog!
    Ultimamente na minha vida têm aparecido alguns Dementors e que nem sempre tenho tido a força para os afastar rapidamente de perto de mim...

    ResponderEliminar
  4. Uma boa dupla, sem dúvida.
    Adorei. Vou partilhar um dia destes.
    Publiquei um post sobre partilhas positivas. Estamos todos a precisar, pois tal como diz o Eduardo Sá, há pessoas que nos sugam energias e o lado bom que temos, tal como os Dementors das histórias do Harry Potter.
    Adorei.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Tão bom este texto!!
    Conheço alguns Dementores da vida e que bela forma de lidar com eles :)

    ResponderEliminar
  6. @Dear All,

    Ainda bem que gostaram e sobretudo que tiveram paciência para ler o texto que, admito, ler num blog não é muito apetecível.

    Mas não só fazia sentido na minha vida como tive a clara noção que fazia e faz na vida de muita gente, assim, pela forma original como é abordado, através da criação deste paralelismo, apeteceu-me mesmo partilha-lo.

    Um beijinho a todas!

    p.s. naturalmente que podem partilha-lo na integra quando ou onde quiserem. mencionem apenas os seus autores!

    ResponderEliminar