5.3.11

Presunção e água benta


Se há coisa em que não sou modesta é no que toca a ramos de flores. Gosto de os oferecer e de ser eu a escolhê-las, criteriosamente, sem ajuda de ninguém. Gosto de ramos campestres e, modéstia à parte, é função que não delego à mais solícita florista. Se alguma dúvida me restasse, é sempre com vaidade que saio de uma destas lojas [o meu fornecedor preferido é sem dúvida a Monceau Fleurs, pela qualidade e diversidade, mas não sou fiel a nenhuma em especial] com um ramo elogiado pela originalidade da conjugação. A falta de modéstia não é uma coisa bonita? Ah, pois não! E eu ralada!
Este é para a oferecer à Mãe, daqui a nada.

4 comentários:

  1. Sem palavras!
    Dispensa elogios...Fala por si M.
    Bjo
    L.

    ResponderEliminar
  2. Bom Gosto são palavras que te caracterizam.
    E se gostas de flores passa na florista do meu amigo Maurício e deixa-te encantar: Em Nome da Rosa, Rua D. Pedro V 97, ao Príncipe Real. Para mim, eu sei que sou suspeita mas, a melhor florista de Lisboa e de Portugal

    ResponderEliminar
  3. Tanita,
    Antes de mais, obrigada ;)
    Sei bem, que é um MUNDO... mas os preços... não dá para fazer ramos assim :)

    ResponderEliminar