13.11.10

Jardim de Outono - Gulbenkian











O canto dos melros e a suavidade do dia trazem no ventre o prazer de demoradas leituras, conversas e passeios. Ao longe, o som da água faz abrandar o passo e deter o olhar na beleza do seu leito. 
Enquanto pais e filhos guardam nas mãos lembranças de Outono, o lustroso felino dorme alheio a vontades e anseios. 
Não me revejo na dureza das linhas geométricas, povoadas de ângulos que ferem ou de monótonas caminhadas rectilíneas. Gosto das circunferências e das curvas que me rodeiam. É delas que é feita a Natureza da vida.

7 comentários:

  1. Por será que nunca este belo jardim nunca me mostrou estes segredos?...
    Será porque quando lá vou é a caminho de alguma exposição,um café,e um apressado regresso a nenhures? :-(...Ai esta minha ansiedade!
    Obrigada mais uma vez por estas fotos e pelo seu olhar diferente sobre coisas que outros não
    descobrem...
    L.

    ResponderEliminar
  2. É uma questão de lá voltar, sem relógio ;)
    Já agora almoce na parte do buffet, vale MESMO a pena!
    Beijo grande e votos de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  3. Mais do que tudo é lindo o seu sentimento pelas imagens e pelas palavras. Obrigado por inspirar o meu dia :)

    ResponderEliminar
  4. Obrigado por ter ido dar uma espreitadela ao meu cantinho :D

    ResponderEliminar
  5. Miri*
    Irei mais vezes. Não estranhe é a ausência de comentários.

    ResponderEliminar
  6. Não é muito dada a comentários, certo? :)

    Não faz mal.. desde que aprecie :)

    ResponderEliminar