14.2.11

[até ] Um dia

Um dia, quando a minha barriga deixava adivinhar para breve mais um milagre da natureza, a avó Ana disse-me que nascerias no dia do seu aniversário. Um dia, quando os dias se contavam por ordem decrescente a avó Ana disse-me que num sono habitado por um sonho mágico te tinha escolhido, que lhe tinhas sorrido e ela te estendera a mão dizendo vais ser tu a minha bisneta. Um dia, apesar do calendário médico te prever para dia 5 de Maio, tu chegaste. Era dia 23 de Abril, justamente o mesmo dia em que um dia, muitos anos atrás, chegara a avó Ana. Um dia a avó Ana partiu. No dia da sua partida, fica o meu terno e eterno agradecimento, por te ter escolhido tão bem. 
Um dia como o de hoje é um dia triste. Até um dia, querida avó Ana.

12 comentários:

  1. É sempre triste!
    Mas felizes de nós que guardamos essas lembranças dentro de nós.

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Sinto muito! Mas pelo modo como escreveste (que me deixou arrepiada) a avó Ana foi uma pessoa maravilhosa, uma estrela que passou nas vossas vidas! É assim que guardo o meu avô. Todos os dias está comigo, passe o tempo que passar! Muita força!

    ResponderEliminar
  3. um abraço muito apertado m.

    ResponderEliminar
  4. Oh, que história comovente...

    ResponderEliminar
  5. A avós são tão sábias... E eu morro de saudades da minha!
    Beijinho e feliz dia da Avó Ana!

    ResponderEliminar
  6. Que belo texto de homenagem à Avô Ana. Ela continuará sempre a viver, enquanto te lembrares dela.

    Beijo grande**********

    ResponderEliminar
  7. Estória triste mas tão bonita.
    Nestas coisas gosto tanto de ser tão pouco racional e acreditar mesmo nestas escolhas, nestes encontros.
    Nestes e noutros.

    ResponderEliminar
  8. Lamento imenso... mas sempre que a tua avó Ana for lembrada, viverá sempre presente entre vós.
    Bj**

    ResponderEliminar
  9. Oh, fico triste pela tua perda .
    Mas acredito que as pessoas que nós amamos muito , não morrem , ficam para sempre connosco , no nosso coração .

    ResponderEliminar
  10. Querida M.,
    Assim como tu, também tive (e ainda tenho)a grande sorte de conviver com uma avó sempre presente, participativa e que nos serve de exemplo e suporte para as surpresas do caminho!!! Está ela hoje no alto de seus 90 anos, bem velhinha, cada vez menor e ainda bem teimosa!
    Dias atrás, em uma das tantas conversas que tenho com ela, ela me disse que estava pronta para a morte quando a morte lhe quisesse vir buscar, pois tinha a certeza de que estaria para sempre viva dentro do coração de cada um de nós.
    Pelo que dizes, assim é a tua avó Ana, que jamais morrerá dentro de ti!!!
    Recebe o meu forte abraço e fica bem!
    Beijos,
    Werner

    ResponderEliminar
  11. Muito obrigada a todos pelas vossas palavras.
    A avó Ana já tinha passado os 90. Cumpriu bem a sua missão. Uma pessoa especial como ela vive para sempre no coração de quem a conheceu.

    @ Concha, o meu lado racional (que é gigante) não me impede de acreditar nestas escolhas e nestes encontros e noutros. Acredito mesmo.

    @ Werner, meu querido, sempre presente. Tive o privilégio de ter até tarde a companhia de avós e bisavós. São uma benção na nossa vida. De todas elas, à sua maneira, guardo muito gratas memórias. Todos temos de partir um dia, não é?
    Abraço forte.

    ResponderEliminar