18.1.14

Geme o restolho






Geme o restolho, triste e solitário
a embalar a noite escura e fria
e a perder-se no olhar da ventania
que canta ao tom do velho campanário
Geme o restolho, preso de saudade
esquecido, enlouquecido, dominado
escondido entre as sombras do montado
sem forças e sem cor e sem vontade
Geme o restolho, a transpirar de chuva
nos campos que a ceifeira mutilou
dormindo em velhos sonhos que sonhou
na alma a mágoa enorme, intensa, aguda
Mas é preciso morrer e nascer de novo
semear no pó e voltar a colher
há que ser trigo, depois ser restolho
há que penar para aprender a viver
e a vida não é existir sem mais nada
a vida não é dia sim, dia não
é feita em cada entrega alucinada
prá receber daquilo que aumenta o coração
Geme o restolho, a transpirar de chuva
nos campos que a ceifeira mutilou
dormindo em velhos sonhos que sonhou
na alma a mágoa enorme, intensa, aguda
Mas é preciso morrer e nascer de novo
semear no pó e voltar a colher
há que ser trigo, depois ser restolho
há que penar para aprender a viver
e a vida não é existir sem mais nada
a vida não é dia sim, dia não
é feita em cada entrega alucinada
prá receber daquilo que aumenta o coração

MV

7 comentários:

  1. Simplesmente magnifico. Parabéns, adoro as fotografias :) xx

    ResponderEliminar
  2. É a minha música favorita da Mafalda. Se a ouvir em dias de maior sensibilidade, deixo escapar uma lágrima ou outra.

    ResponderEliminar
  3. Adoro esta música ! O refrão toca-me particularmente ...
    tenho de ir à procura do c.d. ;)

    ResponderEliminar
  4. Uma das minhas músicas favoritas e tão verdadeira :) . Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. o fogo tem sempre qualquer coisa que nos atrai, qualquer coisa de mágico. lindas! *

    ResponderEliminar
  6. Adoro, adoro, adoro!!! Impossível ouvir sem me emocionar...

    ResponderEliminar
  7. Somos todas um grande bando de sentimentalonas, é o que é! ;)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar