1.1.14

De 2013

 


2013 foi um dos piores anos de que me recordo, ouvi e li a muita gente.

2013 foi um dos melhores anos da minha vida e não podia ter surpreendido mais pela positiva, ouvi e li a alguns, ainda que muito menos do que os primeiros, infelizmente.

Para mim, pessoalmente, 2013 não foi um ano particularmente feliz, o que não quer dizer que tenha sido por consequência infeliz. Muito longe disso. 
Diria, resumidamente, que foi um ano estranho pela forma sinuosa como correu aos mais diversos níveis. Diria, também, ainda que o verbo possa ter uma carga menos positiva do que tem na realidade para mim neste caso concreto, que foi o ano do "Desencantamento". Mas, para o bem e para o mal, foi um ano que voou!

Foi decididamente um ano de limar arestas e fechar ciclos. Não terá sido - não foi, sei, sinto-o - um ano de clarividência, mas foi certamente um ano de muita clarificação. De muitas clarificações. E de umas quantas arrumações, por conta disso. 

Foi o ano em que terei abandonado uma convicção pela qual me bati pessoal e profissionalmente durante muito anos, tanto  por sentido de missão como de justiça. Acreditar que todos nós somos sempre capazes de mais e melhor e que vale a pena investir nas pessoas foi um chão que em mim, de alguma forma e em algumas circunstâncias, aparentemente deixou de dar uvas. 
Hoje sei. Há caminhos, pessoas e circunstâncias que são estéreis apesar de alguns fortes indicadores sinalizarem um potencial contrário. Por muito que se lance semente, por muito que se cuide do solo, por muito que se protejam de estacas contra o vento, por muito que se amparem nos temporais, por muito que se invista na vigilância e cuidado, nunca, mas nunca, darão frutos.
Foi portanto um ano de crescimento pessoal, que sinto como uma das minhas mais profundas mudanças estruturais nos últimos anos. 

Não foi uma mudança-rutura mas sim uma mudança fruto de todo um caminho percorrido em consciência e sobretudo muita consistência. É o resultado de um longo caminho feito com os pés muito bem assentes no chão e de mãos sempre cheias do melhor para entregar. Talvez por isso, certamente por isso, tenha esta quase certeza de ser uma mudança irreverssivel.  Se me tornou em alguém melhor ou pior? Não sei. Sei que a consciência me dita uma total e completa tranquilidade de espírito, um conforto com quem sou, onde estou, o que fiz e o que quero fazer daqui em diante. Um total desapego do que ou de quem deixei para trás ou ao que ou a quem virei costas. Creio que essa total conformidade e sintonia entre o que fiz e o que sinto são a resposta mais elucidativa. O que o futuro trará com  isso para mim e para a minha relação com os outros, só o futuro saberá e não é coisa que de momento me preocupe, para ser sincera.

Já somar a referência a "Desencantamento" a estas imagens cinzentas, sombrias e frias e concluir que é isso mesmo que elas transmitem sobre o meu estado de espírito é um redondo equívoco.

Este é um Encantamento que não tem fim. O encantamento pela Vida, pela Natureza, pela magia das coisas simples, dos momentos com a assinatura de pequenos grandes nadas de todos os dias. Pelo que temos para colher e acolher na particularidade de cada estação, de cada ciclo.
É deste imenso e inesgotável Encantamento, aliado à saúde e bem estar dos que me são queridos (saúde e bem estar por que todos os dias sou imensamente grata já que nunca o podemos ter por garantido) que é feita a matéria prima do que é vital para mim. Tudo, rigorosamente tudo o resto vem a reboque disto. É nestes dois pontos essenciais que se apoia o meu equilibrio. É nestas duas bençãos que a minha força e energia se regeneram todos os dias, mesmo nos que são menos sorridentes. 

Talvez seja por até hoje me conhecer neste encantamento com os dias cinzentos, sombrios e frios, tanto como me encanto com os dias azuis, solarengos e quentes que o "desencantanento" que serenamente conquistei ou me conquistou este ano não faça mossa.

Estas imagens foram captadas às últimas horas de sol do ano que ontem findou. 
Entre um punhado de outros, o meu desejo para 2014 é que seja ele, este "Encantamento" o meu maior guia. Foi isso que fui dizer à Vida nesta curta visita.

Com um calendário civil encerrado e um ano pessoal prestes a encerrar, continuo a acreditar que tudo é possível, que o vento não sopra sempre do mesmo lado e que a vida é feita de mudança. Mas, contra muitas expetativas, há peditórios para que, ou muito me engano, ou não volto a dar mais. O tempo o dirá.





8 comentários:

  1. Continuo a ser da opinião de que não existem anos bons nem maus - essa palavra enão não existe no meu dicionário, prefiro dizer MENOS BOM.
    Todos os anos nos trazem momentos de muita alegria e momentos de lágrimas sentidas de alguma tristeza. Mas todos eles fazem parte da nossa vida, de quem somos, aquele que nos delinea como pessoa que somos. Há que dar alegrias por tudo pois uma não exise sem a outra. É o balanço, o equilibrio da vida - necessário.

    Que tenhas um ano novo feliz, cheio de equilibrios e desiquilibrios para te voltar a colocar outros sorrisos maiores ainda assim que a vida achar que precisas. E as lágrimas sejam mais de alegrias, mas se forem de dor que possas deitar toda ela para fora ao lado de quem te ama, compreende e respeita ao máximo.

    Tu sabes o quão importante és para mim... e és. Farei de tudo para poder ter a tua amizade presente nos meus dias, pois com ela sorrio... pois com ela acredito que há pessoas maravilhosas no mundo que, de igual forma, me RESPEITAM. É essa a minha palavra principal.

    Um beijo doce no coração minha amiga e UM FELIZ ANO XXX

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes bem o quanto gosto de ti, minha querida Paula, e como é cúmplice e forte a nossa amizade.
      Que 2014 seja um ano sereno. E muito feliz!

      Eliminar
  2. Não me posso considerar uma mulher sem ambições. Mas enquanto puder ser embalada pelas gargalhadas das minhas Flor e Guerreira posso considerar-me feliz. "013 foi duro em termos financeiros, espera-nos, talvez, um ano pior. Mas basta-me continuar a ser embalada por elas, para continuar a ser feliz! Ah e sim, voltei ao meu cantinho antigo para falar dos meus assuntos com elas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo muito bem e concordo. Eu costumo dizer que o essencial é que não me falte a saúde dos que amo e a minha. Tudo o resto se supera. Com mais ou menos esforço, tudo se supera quando os que amamos estão bem.

      Bem vida de volta!

      Eliminar
  3. O tempo, esse bandido clandestino
    Salteador de estradas e memórias
    Mistura numa névoa libertino
    O passado e o futuro das histórias

    ;)

    http://letras.mus.br/susana-felix/861913/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A menina é uma grafonola ambulante. É por essas e por outras que gosto tanto de si, menina Scarlet Red.

      E o que eu gosto da Susaninha e desta música? ;)

      Eliminar
  4. :)

    Feliz 2014 para ti Margarida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, olha... a minha Quelita por aqui!!! :)

      Feliz 2014! Tudo em GRANDE! :) (do que for bom, claro!)

      Eliminar