16.10.13

O Puzzle




 



Esta imagem faz parte de mim. Está profundamente entranhada nas minhas memórias, enraizada na minha mais tenra infância.

Tenho memórias muito vivas e nítidas dos meus primeiros anos. Do que me rodeava e de quem me rodeava. Das minhas rotinas, dos meus brinquedos e das minhas brincadeiras. 

Como fui filha única e só fui para o colégio com cinco anos, brinquei muito sozinha e entretinha-me com muita facilidade com tudo o que tinha ao meu dispor. Entre bonecas, jogos e outros brinquedos, até  à apetecível caixa de novelos de lã que acolhia um bom acervo das fotografias de família em casa dos meus avós maternos, tudo servia para passear a imaginação e passar as horas animadamente.

Esta imagem faz parte de mim. Construí este puzzle vezes sem conta, como se fosse uma eterna novidade, como se cada vez que o fazia fosse a primeira, no encantamento de desvendar o fim da construção.

Na semana passada reencontrei-o numa das muitas re-arrumações que faço no espaço físico da minha casa sempre que me é urgente reorganizar e arejar o meu mundo interior.

Imaginam o sorriso? 
A cada peça junta, o mesmo prazer e surpresa de gestos revividos e revisitados ao fim de tantos anos.

Pelo número incontável de vezes que o fiz, desfiz e refiz e pela idade que tinha quando chegou até mim - uns três anos -  percebi entretanto o quanto sempre fui cuidadosa com as coisas e perguntei-me se será por causa dele que sonho tanto com piqueniques? 

Este é afinal O puzzle da minha infância que talvez tenha estado na origem subconsciente deste outro.

5 comentários:

  1. Obrigada por estas palavras que que também a mim me fizeram "viajar" à minha infância, àquelas tardes inteiras, a brincar sozinha mas dando diversas vozes aos bonecos que me acompanhavam :)

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Cheguei aqui muito recentemente, através do concelho de uma amiga.


    Lembrei-me dos puzzles que eu adoro fazer, com os meus meninos. E sei perfeitamente da sensação de olhar para algo que nos faz viajar para trás e reviver sensações.

    gosto deste espaço. parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Vento nos Salgueiros (adoro este nome!)

    Obrigada pela partilha e pela cumplicidade.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Joana,
    "Amigo do meu amigo, meu amigo é!"; não sei quem foi a amiga, mas bem-vinda e muito obrigada pelas palavras.

    Um beijinho

    ResponderEliminar