4.4.18

No mundo encantado da Ilustração | Honor C. Appleton { #3 }



Ao contrário do que aconteceu com as outras duas ilustradoras de que já falei aqui, sobre Honor Charlotte Appleton encontrei muito pouca informação. Apenas uma pequena biografia e nem uma única fotografia ou retrato pessoal pintado. 

Sempre que me cruzava com a sua obra, o que mais me atraía na sua estética, e que por isso me levou a ter curiosidade em conhecer melhor a sua história, era o facto de a maioria das suas ilustrações terem quartos de brinquedos como pano de fundo, num universo onde as bonecas e outras personagens assumem um papel ativo, ao melhor estilo do nosso imaginário infantil. Quem nunca falou com a sua boneca preferida, ou não fez festas e casamentos entre os diversos bonecos que moravam nas prateleiras e estantes do quarto?

Mas a verdade é que, devido à escassez de documentação, acabei por não encontrar uma razão especifica para este tema constante do seu trabalho. Resta-me pensar e concluir que essa sua fase de vida foi de tal forma marcante que a influenciou para o resto da vida. Por outro lado, uma das suas mais importantes obras foi a colaboração como ilustradora dos livros da aventureira Josephine e dos seus brinquedos. Isso, só por si, pode ser suficiente para justificar tal acervo.








Honor C. Appleton nasceu em Brighton, Inglaterra, a 4 de fevereiro de 1879.

O que se sabe sobre a génese do seu trabalho como ilustradora é que a sua formação passou pela Escola de Kensington,  pela Frank Calderon's School of Animal Painting e  pela Royal Academy of Arts.

Fortemente influenciada por ilustradores seus contemporâneos como Arthur Rackham , Heath Robinson, Kate Greenaway e Jessie Willcox Smith, Appleton destacou-se num estilo próprio e muito facilmente identificável, pela técnica da aguarela. 

No fim do primeiro ano na Royal Academy, em 1902, publicou o seu primeiro livro de ilustrações com o título "The Bad Mrs Ginger". A esse, e ao longo da sua vida, seguiram-se mais de cento e cinquenta livros ilustrados por si.

A mais conhecida das suas primeiras ilustrações foi criada precisamente para a coleção "Josephine" - as aventuras de uma menina e da sua família de bonecos e as suas façanhas. Eram imagens sobre brincadeiras infantis, estruturadas, intensas e cheias de detalhes, mas com a suavidade conferida pela aguarela, que davam vida aos textos de HC Cradock (1863 - 1941).


A primeira grande ruptura de Appleton no mundo da ilustração foi conseguida com seus desenhos para as Canções de Inocência de William Blake (1910), facto que contribuiu  para sua reputação como ilustradora de primeira classe.



As suas obras mais famosas incluem o "Our Nursery Rhyme Book" (1912), de Charles Perrault (1919) e os contos de Hans Christian Andersen (1922).



Entre 1930 e 1940 a sua técnica desenvolveu-se e Appleton começou a afastar-se das publicações infantis e começou a focar-se nos grandes clássicos da literatura. Nesse contexto, uma boa parte do seu trabalho foi desenvolvido para a "George G. Harrap and Company", uma editora de livros de especialidade, com sede em Londres e Bombaim, entretanto desaparecida.

A famosa ilustradora adorava o sul de Inglaterra, o que a fez permanecer perto de Brighton, em Hove, durante toda a sua vida, cidade de onde só se ausentava em viagens negócios.

Appleton morreu com 71 anos, a 31 de dezembro de 1951. Nessa época, o seu trabalho era de tal forma conhecido e admirado, que a Hove Public Library realizou uma cerimónia de homenagem no ano seguinte.


Sem comentários:

Enviar um comentário