15.5.14

Deste Maio, amor maior



Há em Maio qualquer coisa de maior, qualquer coisa de promissor. 
Não sei bem explicar que amor é este, quando nasceu, porque regras se rege, mas Maio é para mim um mês que torna tudo mais possível, como se as arestas da vida se limassem, como se mesmo o que não se realiza ou sequer se vislumbra estivesse já lá, inscrito na brisa morna, nos dias mais longos, nas noites mais serenas, na lua mais iluminada.

Maio é este amor maior, o canto da rola a embalar o ar, a sombra e a luz em contraste indiscreto, o feno no campo, as floreiras a engalanar varandas, as andorinhas em voo picado, os mangericos que crescem, a sardinha assada, o pão saloio e o cheiro a brasa. Maio é este encanto, este render, este baixar a guarda, este abrir o peito ao vento e os braços à estrada. Maio sabe a começo de viagem mesmo que a seguir a ele o ano se divida ao meio. Maio sabe-me sempre a casa arrumada.

3 comentários:

  1. É verdade... mas acho que nunca tinha pensado nisso de forma tão concreta!

    ResponderEliminar
  2. É isto mesmo que eu penso...

    ResponderEliminar
  3. Obrigada pela sintonia :)

    ResponderEliminar